1,maio 18,2024 23:29

Ato de Coragem é um filme de ação americano dirigido por Mike McCoy e Scott Waugh, e escrito por Kurt Johnstad. É estrelado por Alex Veadov, Roselyn Sánchez, Nestor Serrano, Emilio Rivera, soldados reais da marinha americana na ativa e os U.S. Navy Special Warfare Combatant Crewmen (Equipe Especial de Marinheiros Americanos para Combate de Guerra)

A TRAMA

O filme abre com uma narrativa escrita por Chief Petty Officer Dave para o filho de um amigo, discutindo heroísmo, bravura e um código de honra, com imagens feitas de grande altitude, retratando saltos do ar em pequenas aberturas. Nas Filipinas, um terrorista mata o embaixador norte-americano, seu filho, e dezenas de crianças, utilizando um veículo-bomba, criada por um dispositivo improvisado em uma escola particular. O mentor, um terrorista checheno chamado Abu Shabal, escapa e retorna para a Rússia. 

O trailer é uma cortesia da Relativity Media >

Na Costa Rica, dois agentes da CIA, Walter Ross (Nestor Serrano) e Morales (Roselyn Sánchez) se reúnem para consolidar a inteligência sobre o seu alvo, um traficante de drogas chamado Mikhail “Cristo” Troykovich. Homens de Cristo matam Ross e capturam Morales, trazendo-a para um vilarejo ribeirinho. Christo ordena que ela seja torturada, mas mantida viva até que diga aos traficantes o que ela sabe. Em Coronado, na Califórnia, os membros da Bandito Platoon, SEAL Team Sete estão em casa. O tenente Rorke confidencia ao Coronel Dave que sua esposa está grávida. Os marinheiros passam mais tempo com suas famílias na praia, e também nas docas do Coronado. No dia seguinte, eles embarcam na missão marítima USS Bonhomme Richard (LHD-6), no Pacífico Sul, onde são informados sobre os acontecimentos na Costa Rica. A CIA acredita que os agentes foram alvo de investigação de uma ligação entre Abu Shabal e Christo. A equipe SEAL é ordenada a resgatar Morales. 

PRODUÇÃO 

Em 2007, Mike McCoy e Scott Waugh, da Bandito Brothers Production, filmaram um vídeo para a Combatentes Oficiais de Guerra, o que levou a Marinha dos Estados Unidos a permitir que eles usassem reais combatentes SEALs na produção. Depois de passar tanto tempo trabalhando em colaboração com os SEALs, McCoy e Waugh tiveram a idéia para um filme moderno de ação sobre essa força de combate secreta e elitista. Como Ato de Coragem foi desenvolvido com os SEALs a bordo como conselheiros, os realizadores perceberam que nenhum ator poderia realisticamente retratar ou fisicamente preencher os papéis que tinham escrito, e os próprios SEALs foram elencados para estrelar o filme. Os SEALs permaneceriam anônimos, já que nenhum de seus nomes aparecem nos créditos do filme. Para a Marinha, o filme é uma iniciativa de recrutar SEALs. De acordo com o The Huffington Post, a Marinha mesmo que exigiu que os SEALs participassem do filme. A Relativity Media adquiriu os direitos para o projeto em 12 de junho de 2011, estimando em 13 milhões e 30 milhões de doláres em impressões e publicidades. O Deadline.com chamou isso de “a maior quantia de dinheiro pago em um filme com um elenco desconhecido”. O orçamento da produção foi estimado em entre 15 milhões e 18 milhões de dólares.

A CRÍTICA

O filme estreou com opiniões predominantemente negativas. Muitos comentários, tanto positivos quanto negativos, manifestaram elogios para as seqüências de ação, ao mesmo tempo criticando o enredo e sua atuação. Claudia Puig dos EUA Today, por exemplo, disse que a ação do filme é “de tirar o fôlego”, mas deu ao filme uma crítica predominantemente negativa, na qual ela escreveu que “O modo dos soldados lerem/atuarem o roteiro são evidentes o suficiente para desviar a atenção do potencial da história.” Da mesma forma, Amy Biancolli do San Francisco Chronicle escreveu, “Ato de Coragem objetiva impressionar o público com os altos testes de ação e também ao dar um grande beijo molhado no sistema militar americano – e ele consegue, em ambas as tarefas”, mas que, em um último momento, “o filme fica preso por sua própria narrativa”. Michael Rechtshaffen do The Hollywood Reporter tinha uma opinião semelhante, afirmando: “Embora o filme tenha seus momentos de imersão, inegavelmente convincentes, a fusão dramática de recriações e ‘performances’ na câmera são executados de uma forma ruim, bem mais ruim que as missões em terra, mar e aéreas, magistralmente coordenadas. Roger Ebert do Chicago Sun-Times deu ao filme duas estrelas e meia, e reclamou que “não chegamos a conhecer os personagens como indivíduos, eles não têm traços de personalidade, ele não têm histórias passadas, não falam em diálogos emocionados, e depois do filme acabar, você poderia até narrar eventos, mas não personagens”.

Leia o original em inglês na Wikipedia:http://en.wikipedia.org/wiki/Act_of_Valor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *